Sobre Felicidade no Trabalho: A Mentira Mais Contada

27/04/2016 • Psicologia Positiva

Cerca de 72% das pessoas não gostam do próprio trabalho. Esse dado é mundial e expressa a insatisfação com as atividades, as condições oferecidas pela empresa, a remuneração, a liderança ou os pares. Desses, muitos gostariam de mudar de emprego – dado bem recente da Grã-Bretanha mostra que 47% saíram pela porta para não voltar mais. Entre os millennials, ou Geração Y, o percentual chega a 66%.

É claro que todo mundo atravessa esse deserto algumas vezes na carreira. A insatisfação é a mola-mestra da mudança e mudar é necessário no processo evolutivo. Partir em busca de mais dinheiro parece ser a decisão correta para a felicidade no trabalho. Certo? Errado.

É claro que o dinheiro traz felicidade. Mas, até certo ponto. Uma vez satisfeitas as necessidades gerais – como alimentação, moradia, segurança, saúde e conforto –, o dinheiro passa a contribuir muito pouco para o bem-estar. Uma pesquisa recente realizada no Brasil mostrou que para 69% dos brasileiros de todas as classes sociais é mais importante ter tempo para a família que ganhar mais. E o que dizer dos ganhadores da loteria? Existe uma pesquisa clássica, realizada nos Estados Unidos, que mostrou que um grupo de sortudos ganhadores na loteria e outro de paraplégicos experimentavam níveis de felicidade similares, passado um ano do fato que mudou suas vidas.

Preste bastante atenção na hora de tomar decisões em sua carreira: nem sempre ganhar mais será a garantia de uma vida melhor e mais feliz.

Tags: , , , , , , , , ,

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *