Por Que Precisamos Falar de Gratidão?

16/08/2017 • Ciência, Destaque, Psicologia Positiva

“Às vezes a alegria é a fonte de seu sorriso. Outras, seu sorriso é fonte de sua alegria.”
― Thich Nhat Hanh

A patrulha da web já condenou. Dad Squarisi, em sua coluna intitulada “Gratidão substitui obrigado? É modismo” – no Correio Braziliense, também. Mas, será que estamos compreendendo a verdadeira razão da palavra “gratidão” ter invadido as redes sociais?

Gratidão vem de gratia, do latim, que significa graça, graciosidade. Da mesma família vem a palavra gratus ou, em português, agradável. Já obrigado origina-se de obligadus e significa ligado, amarrado. Gratidão expressa a apreciação àquilo que se percebe como positivo, seja tangível ou não, e que não gera qualquer obrigatoriedade de retorno.

Ao investigar cientificamente a felicidade, a Psicologia Positiva identificou a gratidão como propulsora de emoções positivas (já falamos disso aqui). Foi o Dr. Martin Seligman, em seu laboratório na Universidade da Pensilvânia, nos EUA, que evidenciou que a expressão escrita da gratidão era capaz de impactar o bem-estar como nenhuma outra intervenção.

Tudo isso não ocorre por acaso. A gratidão é modulada, no âmbito cerebral, pelos mesmos circuitos neurais que se ativam quando experimentamos sensações de prazer. Essas regiões estão ligadas à regulação das emoções e ao alívio do estresse e da dor. Para os neurocientistas, isso explica porque a gratidão fortalece a saúde. Dr. Prathik Kini, da Universidade de Indiana, nos EUA, foi mais longe: em suas pesquisas encontrou evidências de que a gratidão é capaz de alterar o funcionamento cerebral em pessoas com depressão.

Informações relativas a essas pesquisas passaram a ser difundidas por veículos de comunicação de massa, inicialmente nos Estados Unidos. Com isso, a gratidão saiu das coxias da vida. Sob os holofotes, passou a ser abordada em processos terapêuticos e de desenvolvimento humano e organizacional. E o que era #gratitude, em inglês, aportou nas redes sociais brasileiras como #gratidão.

Dar uma chance à gratidão é ir além da palavra que surge na tela para reconhecer que coisas simples, como o perfume do café recém passado, são capazes de nos fazer experimentar emoções positivas e de profunda valorização da vida que já se possui.

Why Do We Need To Talk About Gratitude?

“Sometimes your joy is the source of your smile, but sometimes your smile can be the source of your joy.”
― Thich Nhat Hanh

Gratitude comes from the latin word gratia, which means grace, graciousness. From the same family comes gratus, pleasant. Gratitude expresses the appreciation for what is perceived as positive, whether tangible or not.

By scientifically researching happiness, Positive Psychology has identified gratitude as a propeller of positive emotions. It was Dr. Martin Seligman, in his laboratory at the University of Pennsylvania, USA, who showed that the written expression of gratitude was capable of impacting well-being like no other intervention.

Gratitude is modulated, in the cerebral realm, by the same neural circuits that are activated when we experience sensations of pleasure. These regions are linked to the regulation of emotions and to the relief of stress and pain. For neuroscientists, this explains why gratitude strengthens health. Dr. Prathik Kini, from the University of Indiana in the US, went further: in his research he found evidences that gratitude is capable of altering brain function in people with depression.

To give gratitude a chance is to go beyond the word itself to recognize that simple things, such as the perfume of fresh coffee in the morning, are capable of making us experience positive emotions and deep appreciation of the life we already have.

Tags: ,

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *