Minha Amiga Frida

10/05/2016 • Carla Sugere, Destaque

Às vezes é preciso ser Frida e resgatar a paixão pela vida em meio ao furacão. Tornados chacoalharam sua existência sob a forma de doença, acidente, impossibilidades e sequelas. Tantas sequelas, mas nenhuma capaz de verdadeiramente imobilizá-la. “Pés, para que os quero, se tenho asas para voar?”, disse. De tempos em tempos preciso reaprender a voar.

13179221_10209256879957565_3793177328589384235_nA colisão de um bonde a imortalizou. Naquele dia morreu a aspirante a médica, nasceu a artista icônica, que deitada em sua cama, na Casa Azul, pintou o primeiro autorretrato. Frida dizia que pintava a si mesma porque era sozinha e esse era o assunto que conhecia melhor. O que consigo fazer com as dores que habitam em mim é transformá-las em palavras. Fantasio que se Frida fosse viva me cumprimentaria pela coragem e destinaria a mim uma de suas frases célebres: “Amuralhar o próprio sofrimento é arriscar que ele te devore desde o interior”.

13095896_10209250611600860_1478959459377034257_nAs dores de Frida tornaram-se cores, impressas nas telas, nas roupas, nas flores em seu cabelo. Suas perdas e tragédias coloriram seu mundo. Encará-la – nos quadros, nas fotos, nos filmes – é deparar-se com uma mulher linda, sedutora e empoderada, a despeito do que muitos dizem ser beleza. Aliás, sobre a estética vigente sua precisão foi navalha: “A beleza e a feiura são uma miragem, pois os outros sempre acabam vendo nosso interior”. Frida me lembra que ser bela é apenas uma escolha.

À noite em meu escritório, enquanto mastigo lentamente os acontecimentos no desejo de torná-los digeríveis, olho para a Frida emoldurada e me reconheço em sua bravura, em seu jeito de enfeitar a vida para dar conta do imponderável, em sua forma muito própria de eternizar seus acontecimentos. E escuto baixinho: “Cada tic tac é um segundo da vida que passa, foge, e não se repete. E há nele tanta intensidade, tanto interesse, que o problema é só sabê-lo viver”.

Tags: , ,

7 Responses to Minha Amiga Frida

  1. odette castro disse:

    Como penso em Frida nesta minha vida e no que me tornei.
    Lindo seu texto.

  2. Mara Taddei disse:

    Suas palavras inspiradoras, a força da existência de Frida e mais um dia nascendo, me mostram como a vida é pulsante. Vamos à ela! Bom dia, minha querida amiga. Parabéns pelo lindo texto.

  3. Carla Furtado disse:

    Feliz que gostou! Beijos

  4. […] 10 de maio deste ano publiquei o artigo “Minha amiga Frida”. Em 08 de junho estava na Casa Azul, Coyoacán – México, onde a artista nasceu, cresceu e […]

  5. Roberto Aurélio disse:

    Carla, que artigo bonito, inspirado, mesmo. Você tem estilo, segurança. Manejo habilidoso do vernáculo. E passa verdade, a sua verdade, que termina por ser universal, em cada palavra. Nasce , ou renasce,uma escritora! Parabéns!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *